Dor Torácica (dor no peito)
 

O diagnóstico diferencial de dor torácica é muito extenso. Podemos apresentar dor torácica de várias etiologias, que incluem:

a) causas cardíacas: angina do peito / infarto agudo do miocárdio;
b) outras causas cardíacas: estenose aórtica/ cardiopatia hipertrófica/ hipertensão arterial severa/ anemia severa/ dissecção aórtica/ pericardite / prolapso da valva mitral;
c)causas gastrointestinais: espasmos esofageano/ refluxo esofágico/ ruptura do esôfago/ úlcera péptica;
d) causas psicogênicas: ansiedade/ depressão
e) causas neuromusculares: costocondrite/ herpes zoster/ doenças degenerativas da coluna cervical e torácica;
f) causas pulmonares: embolia pulmonar/ pneumotórax/ pneumonia/ pleurite

Somente com uma história clínica e um bom exame físico, o médico poderá diferenciar as causas de dor torácica, além de utilizar métodos complementares em casos específicos.

Devido a essa variedade de causas, a dor torácica quando surge, merece atenção especial e atendimento médico.

Na cardiologia propriamente dita, a dor torácica pode refletir casos graves de insuficiência coronariana, que se manifestam pela chamada angina do peito.

A angina do peito é uma dor que ocorre geralmente após algum tipo de esforço físico, mas que pode eventualmente surgir em repouso, descrita como em aperto, em queimação, compressiva, forte, de localização variável, mas com duração curta.

Caso a dor no peito se prolongue por mais de 30 minutos, pode estar ocorrendo um infarto no miocárdio, manifestação grave da doença coronariana e que requer tratamento médico de urgência.

Portanto, em caso de dor no peito, de forte intensidade, que seja acompanhada de suor frio, sensação de taquicardia, náusea ou vômitos, o indivíduo precisa com urgência ser encaminhado a um pronto socorro especializado, para que seja feito um diagnóstico preciso da situação e iniciar um tratamento direcionado.

Hoje se sabe que quanto mais rápido for esse atendimento em casos de infarto do miocárdio, maiores são as possibilidade de sucesso no tratamento.


 
  Dr. Maurício Samuel Goldbaum