Ultra-som de Tireóide


A tireóide produz os hormônios tireoideanos, responsáveis pelo controle de várias atividades do organismo, como batimentos cardíacos, movimentos intestinais, poder de concentração do cérebro, tônus da musculatura, respiração celular.

Essa glândula endócrina responde pela produção de hormônios, como a triiodotironina ou T3 e tiroxina ou T4. Os aumentos e reduções na produção desses hormônios causam as duas principais doenças da tireóide : hipotireoidismo e hipertireoidismo.

No passado, a única forma de examinar a tireóide era por meio da palpação. Nos dias atuais, ultra-som é considerado o método de diagnostico mais sensível na avaliação da tireóide.

Com o aperfeiçoamento tecnológico das ultimas décadas, houve uma enorme melhoria na resolução espacial, possibilitando:

- a identificação de lesões, mesmo milimétricas,

- identificação do número de nódulos,

- a caracterização da natureza dos nódulos ( císticos, sólidos ou mistos ),

- a caracterização da ecogenicidade dos mesmos ( hipo, iso ou hiperecogênicos ),

- a definição da presença de edema perinodular ( sinal do halo),

- a definição das características de suas margens,

- a identificação e caracterização de calcificações internas,

- a caracterização do padrão da vascularização que os nódulos apresentam.

Essas informações, em conjunto, posssibilitam identificar lesões com maior probabilidade de malignidade, com boas sensibilidade e especificidade.

O ultra-som, por essas habilidades, por ser eficaz, inócuo, de rápida e fácil realização, e de custo relativamente baixo –tornou-se um importante e valioso método de imagem para avaliação da glândula tireóide.

É um exame rápido, indolor, que não requer preparo prévio para sua realização

 

 
  Dra. Tereza Ângela Feldener Martins Graci